sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Modificador do nome

         Nesta «consulta», colocada ao «CBDV», pretendia saber-se se, em exemplos apresentados,   o modificador apositivo do nome é constituinte  do Sujeito e, paralelamente,  o restritivo pertence ao complemento direto.
 
Resposta n.º 32102, de Sandra Duarte Tavares, 02 - 10 - 2013 : AQUI

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Argumento(s) e Exemplos - Como os ordenar

- a «ordem» da colocação de A. e EX... - questão hoje colocada por M. CNZ 
- S. lembrava-se que uma P. a tinha colocado ao «CBDV» - e ficou de a (re) localizar 
- «passam a vida a fugir», os verbetes do «CBDV»

- resposta (n.º 31392)  de Eunice Marta, de 23 - 10 - 2012 : AQUI



domingo, 26 de janeiro de 2014

«Não voltes, Eça»

[ontem, ao jantar, «ditatorialmente» imposto (no GALH) por General Z., o Princeso contou a discussão que há dias teve, no Café IMP..,  com J. L., o «Francês», COMP. de DOUT., que parece que andou a ler Os Maias, e que argumentava a sua inadequação à formação dos Escolares Tugas, alegando que [...]

- recortes de um conhecido texto «político» de Eça, publicado EM 1890, na Revista de Portugal[...]
[…]
A situação é esta. Uma parte importante da Nação perdeu totalmente a fé (com razão ou sem razão) no parlamentarismo, e nas classes governamentais ou burocráticas que o encarnam; e tende, por um impulso que irresistivelmente a trabalha, a substituí-las por outra coisa, que ela ainda não definiu bem a si própria. Qual pode ser essa outra coisa? Que soluções se apresentam?

Por um lado, a República não pode deixar de inquietar o espírito de todos os patriotas. Ela seria a confusão, a anarquia, a bancarrota. [...]

Por outro lado, uma “revolução feita de cima”, uma concentração de força na Coroa [...] concentração, que, apoiada na parte mais inteligente e mais pura das classes conservadoras, procedesse às grandes reformas que a consciência pública reclama, não seria compreendida pela Nação irremediavelmente impregnada de liberalismo e que nessa concentração de força só veria uma restauração do absolutismo e do poder pessoal.

Que resta no meio destas duas soluções? Restaria ainda a solução quase milagrosa de que as classes conservadoras e parlamentares, cônscias enfim dos perigos que as envolvem, procedessem heroicamente à sua própria depuração e moralização; [...]

Que resta pois? Resta, como esperança, o sabermos que as nações têm a vida dura, e que o nosso Portugal tem a vida duríssima. E se os que estão no poder porfiarem sempre em cometer a menor soma humanamente possível de erros e realizar a maior soma humanamente possível de acertos, muitos perigos podem ser conjurados e a hora má adiada. O interesse de quem tem o poder […] está todo e unicamente em acertar. Se não já por dever de consciência e de patriotismo, [...] o esforço constante de um governo deve ser acertar. Entre nós têm-se visto governos que parecem absurdamente apostados em errar, errar de propósito, errar sempre, errar em tudo, errar por3frio sistema. Há períodos em que um erro mais ou um erro menos realmente pouco conta. No momento histórico a que chegamos, porém, cada erro, por mais pequeno, é um novo golpe de camartelo friamente atirado ao edifício das instituições; [...]  [sublinhados acrescentados]
 Um espectador
Eça de Queirós, in Revista de Portugal, Abril de 1890, in Eça de Queirós,
Textos Políticos, Centauro (com supressões)
[versão mais completa, universalmente disponibilizada pela Porto Editora - «acolitada» («empobrecida»?) por «Exercício» = Teste - do MAN. «EM» -

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Lusíadas

          Na RTP, no «portal», em boa hora criado, que reúne conteúdos que só dispersamente «(re)cortados» se encontravam, o programa da série «Grandes Livros», de 2009, dedicado à Epopeia Camoniana, com narração de Diogo Infante e um leque diversificado de depoimentos:
 

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014