sábado, 3 de dezembro de 2011

Pessoa - DOC, IV

Vídeo da série «Ler mais ler melhor» - com exposição do  Prof. Arnaldo Saraiva

Pessoa - DOC , II

«O Brasil sabe amar melhor Pessoa» (Inês Pedrosa)

Vídeos de um programa televisivo brasileiro - 2008

[participam do programa sobre os 120 anos de nascimento de Fernando Pessoa: ...}

no Y. T.:   (re)localizado?



Pessoa - DOC, I

- Da série «grandes portugueses», no Y. T., em «5 partes», com «defesa» de Clara Ferreira Alves, ela própria uma «Pessoana»



terça-feira, 29 de novembro de 2011

Pessoa - Multi - ARQUIVO

Indispensável, para «rastrear», em recortes, temática e biograficamente

muito  bem «arrumados»,          o «Labirinto Pessoano»

Oxímoro

A pedido da delicada I., do Bloco C;

a) Descrição básica:
Oxímoro
[do gr. «oxymóron»]
Figura de estilo que intensifica o processo retórico da antítese, ao aproximar [identificar] termos (substantivo e adjectivo) que se excluem. Daí se dizer que o oxímoro é a expressão do paradoxo: «silêncio eloquente», «Terrível bondade». Sugere, assim, a conciliação de entidades que se opõem: «[Amor] É um contentamento descontente»(Camões)
[sublinhados acrescentados]

Olegário Paz, António Moniz. Dicionário Breve de Termos Literários. 1.ª ed., lx. Presença, 1997, p. 157

b) Descrição um pouco mais desenvolvida, mas não mais complexa, logo, acessível a Todas as Almas                    - artigo de Carlos Serra,  em verbete do                                       e-dtl

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

AO - Guia prático

No endereço da Revista                                            Visão

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Aforismo

No artigo do «E-DTL» que descreve o conceito, Maria da Natividade Pires refere Pensar , de Vergílio Ferreira, como «uma obra que não se assume com essa designação [de Aforismos] mas que tem pendor aforístico»

É um verbete que não tem que ser apenas para as Almas Ambiciosas.

Argumentação - Argumento

Desenvolvimento de um raciocínio com o fim de defender ou repudiar uma tese ou ponto de vista, para convencer um oponente, um interlocutor circunstancial ou a nós próprios.
A argumentação desenvolve-se em função de um destinatário, que influencia directa ou indirectamente a forma como evoluem os argumentos propostos. Argumentamos para persuadir alguém que, à partida, não partilha os mesmos pontos de vista ou as mesmas convicções que nós possuímos. Sem ferir a atenção do destinatário da argumentação, esta jamais poderá ser efectiva. [...]

Início do artigo do professor Carlos Ceia, no «E-DTL» -  um verbete que propõe informação de alguma «densidade»...              - AQUI

- na mesma «plataforma» - um artigo do professor brasileiro João Adalberto Campato Junior com uma descrição da tipologia dos argumentos em cerca de 20 itens - ...                                        - AQUI

sábado, 12 de novembro de 2011

Deícticos

Veio «agarrado» ao anterior.

[para  os Qd.s deste ano, nas páginas ..... do Livro do A.]

O artigo - de Eunice Marta - explica «o que são» (descreve-os)  e «aplica-os» ao conhecido «Auto-Retrato», poema-pastiche («bocagiano») de Alexandre O' Neill.

 -    Artigo nº 29186 do Ciberdúvidas

[aí, VER também outros artigos sobre o mesmo]

Sujeito poético - como o identificar

Ainda agora, num T., uma das Clientes (esta, certamente ansiosa por «fazer o seu melhor»), a dado passo, começou a registar «Luís de Camões diz que...» e nunca mais parou...

É uma «fórmula convencional», para a voz de 1.ª pessoa que fala no texto lírico - com «equivalentes vários» (sujeito, eu lírico ... )
(afinal, frequentemente  transformada, pela paráfrase,  numa «3.ª pessoa» marcada na forma verbal e no determinante, mas não no pronome:
«O eu enfatiza...», por exemplo)

Sobre isto, no «ciberdúvidas», pode ser lido:
- um artigo, n.º 27630, de 12 - 03 - 2010, de Eunice Marta, aplicado à análise de Fernando Pessoa [relocalizado, em 12 - 11 - 2013]
 


 

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Hipotipose

Quando se pergunta ou M. se lhe refere, assoma sempre a «expressão da primeira vez», talvez «verbalizando» apenas «para dentro»:
«mas que raio de palavrão é esse?»
«Palavrão» ou não, é  «uma das mais belas figuras» , na expressão de A. E.
E não é pouco.

Artigo - Verbete  [curto, talvez demasiado] - do Prof. Carlos Ceia no               EDTL

Implícito e Explícito

Artigo n.º 28866, de Carlos Marinheiro, no Ciberdúvidas